>

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Creme de noite ou cuidado específico| 5 razões para usar


Para muitas pessoas é absolutamente essencial usar produtos diferentes de dia e de noite, enquanto outras acham que é um completo desperdício de dinheiro. Na verdade, não parece haver nada que nos prove que a pele absorva mais os ingredientes cosméticos ou que estes atuem melhor regenerando-a durante o sono.


Mas como quase sempre, não há uma regra que se possa aplicar a todos os casos, e por isso há algumas situações que podem justificar o uso de produtos diferentes para o dia ou a noite, para além de questões mais específicas e da preferência pessoal de cada um.

Eu, por exemplo, acabo por ser "obrigada" a ter produtos diferentes para ambas as ocasiões... Caso contrário não conseguia experimentar tudo para vos mostrar!

  • Tratamento de dois (ou mais!) problemas diferentes
Quando há mais do que um problema de pele para tratar, pode não ser possível combinar todos os produtos necessários em cada aplicação

Se sobrepuséssemos vários produtos de tratamento correríamos o risco de não estar a permitir uma boa absorção dos últimos a ser aplicados, ou simplesmente causaríamos uma sensação de desconforto porque para grande parte das pessoas não é agradável sobrepôr dois produtos, sobretudo se ambos tiverem uma ação hidratante.

Podemos por exemplo querer manter a pele matificada durante o dia, e tratar a desidratação durante a noite ou até aproveitar este período em que estamos em casa e isolados do sol para começar uma rotina anti-envelhecimento (ver penúltimo tópico).

Muitas vezes esta distinção entre o dia e a noite pode também ser feita através da adição de um sérum, que deve ser aplicado antes de qualquer creme hidratante.

  • Uso de hidratante com proteção solar e/ou cor durante o dia

Não há qualquer problema em aplicar protetor solar durante a noite. Também não é problemático usar produtos com cor durante a noite se pele for limpa com frequência e a camada de produto renovada. Na pior das hipóteses, isso iria obrigar a mudar os lençóis com mais frequência..

Só que não há necessidade de desperdiçar um produto destes, que muitas vezes para ser de aplicação agradável, com FPS adequado e fotoestável é até mais caro do que um hidratante normal.

Por isso, a longo prazo pode compensar usar um produto sem proteçãomais acessível, e que até possa atuar noutras preocupações durante a noite.

  • A pele necessita de um produto mais nutritivo, e pouco adequado para o dia
Para as peles mais secas, lesadas ou que sofram de algum problema que exija cuidados especializados, o uso de um produto mais emoliente ou reparador durante a noite pode fazer toda a diferença. 

No entanto, muitos desses produtos deixam o rosto oleoso e com um brilho pouco agradável, enquanto outros de tratamento intensivo precisam mesmo de ser aplicados em camada espessa.

Nesses casos, pode optar-se por usar um produto com um acabamento mais agradável durante o dia.

  • Produtos que se degradam com a exposição solar
Muitos ingredientes cosméticos são degradados pela radiação solar, perdendo pelo menos em parte suas propriedades benéficas. São exemplos disso os antioxidantes, como a vitamina C, os polifenóis, ou os retinóides.

Muitas vezes o objetivo destes ingredientes é potenciar a proteção solar, neutralizando os radicais livres que se formam por ação da radiação. E nesses casos a degradação dos antioxidantes é aquilo que se deseja, ao permitir que os constituintes da nossa pele não sejam degradados.

No entanto, e se o produto não tem este objetivo, mas sim fazer com que estes ingredientes interajam diretamente com a pele, pode ser interessante reservá-lo para a noite de forma a tirar partido de todas as suas ações biológicas.

  • Produtos que sensibilizam a pele com a exposição solar

Há também alguns ingredientes que quando aplicados na pele e expostos à radiação se podem alterar e tornar lesivos ou aumentar a sensibilidade da pele à radiação, desencadeando em ambos os casos uma reação inflamatória. O grau de sensibilidade da pele varia de pessoa para pessoa, e por isso é normal que muitas não sofram deste problema.

São exemplo disso alguns medicamentos como a hidroquinonaperóxido de benzoílo ou retinóides de prescrição, mas também produtos cosméticos contendo ingredientes esfoliantes, como os alfa-hidroxiácidos ou o ácido salicílico, os retinóides de uso cosmético, o ou até mesmo alguns extratos vegetais. Destes últimos, destacam-se os extratos de limão, menta e alfazema.

Sem comentários: